By Ken Adachi, Editor
http://educate-yourself.org/fc/index.shtml#top
August 2002

Tradução: Andre Wormsbecker

Introdução e Visão Geral
Existem várias terapias alternativas de cura que funcionam tão bem e custam tão pouco (em comparação com o tratamento convencional), que a medicina ortodoxa, a Food & Drug Administration (FDA) e seus “senhores” da Big Pharma preferem que o público não saiba sobre elas. A razão é óbvia: terapias alternativas e não tóxicas representam uma perda potencial de trilhões de dólares para medicamentos alopáticos e empresas farmacêuticas.

A The Big Three (como são conhecidas, ou a Big Pharma) se engajaram coletivamente em uma conspiração médica, por quase 70 anos, para influenciar os órgãos legislativos nos níveis estadual e federal para criar regulamentos que promovam o uso de medicamentos, ao mesmo tempo em que criam mecanismos restritivos e de controle (licenciamento, aprovação do governo, etc.) projetado para limitar e sufocar a disponibilidade de modalidades alternativas não medicamentosas. A conspiração para limitar e eliminar a competição de terapias não medicamentosas começou com o Relatório Flexner de 1910.

Abraham Flexner foi contratado por John D. Rockefeller para percorrer o país (EUA) e ‘avaliar’ a eficácia das terapias ensinadas nas escolas de medicina e outras instituições das artes da cura. Rockefeller queria dominar o controle sobre o petróleo, petroquímicos e produtos farmacêuticos (que são derivados de ‘alcatrões de carvão’ ou petróleo bruto). Ele conseguiu que sua empresa, a Standard Oil of New Jersey, obtivesse o controle acionário de um enorme cartel de drogas alemão, chamado I. G. Farben. Ele atraiu seus concorrentes mais fortes, como Andrew Carnegie e JP Morgan, como parceiros, ao mesmo tempo em que fez de outros players menos poderosos, acionistas da Standard Oil. Aqueles que não entraram no rebanho “foram esmagados” de acordo com um biógrafo de Rockefeller (W. Hoffman, David: Report on a Rockefeller {New York:Lyle Stuart, Inc., 1971} página 24.)

image

O relatório que Flexner apresentou à Fundação Carnegie foi intitulado “Educação Médica nos Estados Unidos e Canadá”. A página 22 do relatório dizia: “os privilégios da faculdade de medicina não podem mais ser abertos a caminhantes casuais da rodovia. É necessário instalar um porteiro que, por escrutínio crítico, verificará a aptidão do requerente, necessidade sugerida , em primeiro lugar, mas consideração pelo candidato, cujo tempo e talento lhe servirão melhor em alguma outra vocação, se for inapto para isso, e em segundo lugar, pela consideração de um público com direito à proteção daqueles a quem o próprio a ousadia da estratégia médica moderna equipa com instrumentos que, tremendamente eficazes para o bem quando usados corretamente, são ainda mais terríveis para o mal se empregados de forma ignorante ou incompetente”.

Com demasiada frequência, os políticos estão preparados para promulgar leis que roubam aos cidadãos mais uma liberdade constitucional sob a bandeira da “proteção pública”. Não precisa nem dizer que o congresso engoliu as recomendações deste relatório prontamente. Foi decidido que a American Medical Association (AMA), seria o “porteiro”. A AMA agora tinha o poder de certificar ou cancelar a certificação de qualquer escola de medicina, no país, com base no fato de essa escola atender aos padrões de medicina “aprovada” pela AMA.

A AMA surgiu em 1847. É uma organização privada de médicos alopatas que atende aos interesses de seus membros, especialmente quando se trata de influenciar a legislação favorável. Funciona em todos os sentidos da palavra como um sindicato, embora seus membros usem colarinhos brancos em vez de azuis. Dar à AMA o poder sobre a certificação das escolas médicas é o equivalente a dar ao Sindicato dos Caminhoneiros o direito exclusivo de decidir sobre as leis de comércio e transporte interestadual. É de se admirar que o número total de escolas médicas nos Estados Unidos tenha passado de 160 em 1906 (antes do Relatório Flexner) para 85 em 1920, e mais, para 69 escolas em 1944? Um pouco como colocar a raposa no comando do galinheiro, não?

Não surpreendentemente, Flexner “descobriu” que qualquer disciplina que não usasse drogas para ajudar a curar o paciente era equivalente a charlatanismo. As escolas de medicina que ofereciam cursos de medicina bioelétrica, homeopatia ou medicina oriental, por exemplo, foram instruídas a retirar esses cursos de seu currículo ou perder seu credenciamento e suporte de subscrição. Algumas escolas resistiram por um tempo, mas eventualmente a maioria das escolas cooperou (ou foi fechada). Um cenário semelhante ocorreu no Canadá. Foi tentado na Inglaterra contra a Homeopatia, mas falhou devido à intervenção pessoal da Família Real, que recebeu muita ajuda e cura nas mãos de curandeiros homeopatas, no século XIX. A propósito, a AMA foi considerada culpada de conspiração contra quiropráticos, em 1987, por um juiz federal e multada em alguns milhões de dólares. Aqui na América, uma campanha implacável de desinformação, fraude, engano e supressão de terapias alternativas e curandeiros está em vigor durante a maior parte deste século para impedir que terapias alternativas altamente eficazes atinjam qualquer patamar significativo de conscientização pública. O controle é exercido por meio de “notícias” e propaganda de organizações pró-bigpharma, como: The American Medical Association, The American Cancer Society, The Diabetes Foundation, etc.; conselhos médicos locais; e agências governamentais como a FDA, o Instituto Nacional de Saúde (NIH) e o Instituto Nacional do Câncer (NCI), a Academia Nacional de Ciências, etc. – com a total cooperação da mídia tradicional, é óbvio.

Nas últimas décadas, centenas de curandeiros alternativos, preocupados e conscienciosos foram presos e abusados como criminosos comuns pelo “crime” de curar pessoas de doenças que ameaçam a vida de uma maneira “não aprovada” por agentes governamentais que atacam clínicas com armas em punho, jaquetas de linho aos modos da Gestapo. Ao mesmo tempo, esses mesmos agentes e agências se posicionam diante das câmeras de TV e do público sob a ridícula pretensão de serem servidores do povo e protetores do bem comum.

O cartel médico-drogas foi resumido por J.W Hodge, M.D., de Niagara Falls, N.Y., nestas palavras: ‘O monopólio médico ou trust médico, eufemisticamente chamado de Associação Médica Americana, não é apenas o monopólio mais mesquinho já organizado, mas o organização mais arrogante, perigosa e despótica que já administrou um povo livre nesta ou em qualquer outra época. Todo e qualquer método de curar os enfermos por meio de remédios seguros, simples e naturais certamente será atacado e denunciado pelos líderes arrogantes da confiança dos médicos da AMA como falsificações, mentiras e fraudes. ele próprio com o trust médico é denunciado como um ‘charlatão perigoso’ e impostor pelos médicos predatórios do trust. Todo sanitarista que tentar restaurar o estado de saúde do doente por meios naturais, sem recorrer à faca ou às drogas venenosas, aos soros que transmitem doenças, às toxinas mortais ou às vacinas, é imediatamente atacado por esses tiranos e fanáticos médicos, amargamente denunciados, vilipendiados e perseguidos em toda a extensão.’

Finalmente, no entanto, a consciência do público parece ter finalmente atingido uma massa crítica e agora está começando a questionar seriamente a eficácia e adequação do uso de terapias ortodoxas e medicina alopática em geral. Graças a Deus. Demorou muito.

Compreendendo a Natureza dos Problemas de Saúde e Doenças
Toda a abordagem e fundamento da Medicina Ortodoxa é baseada na Teoria dos Germes de Luis Pasteur, um conceito falho. Uma condição de doença é vista pela ortodoxia como um evento isolado, confinado à área em que se manifesta (por exemplo, uma infecção no ouvido, infecção nos olhos, infecção na gengiva, câncer de pulmão, câncer de pele, etc.). Sob essa teoria, por razões desconhecidas, micróbios ou tumores crescem indiscriminadamente no paciente e devem ser cortados (cirurgia), queimados (radiação) ou envenenados (drogas) para fora do corpo. No modelo ortodoxo, a solução é buscada por meios mecânicos e químicos. Buscar entender o POR QUE a infecção ou a condição da doença apareceu em primeiro lugar, não é seriamente explorada. A solução rápida com uma receita de medicamentos para abafar os sintomas é a típica ‘resposta’ ortodoxa.

Um contemporâneo de Pasteur, Antoine Bechamp, tinha uma opinião diferente sobre por que as condições de doença “se instalaram”. Bechamp sentiu que o MEIO AMBIENTE, ou a ECOLOGIA do sangue, desempenhava o papel crítico em decidir se as condições da doença se manifestariam ou não.

A medicina alternativa explora os estressores (ambientais, biológicos, químicos, psicológicos e emocionais) na vida de um paciente que causam o enfraquecimento de um campo de energia específico; que por sua vez permite a manifestação de uma condição de doença em uma área enfraquecida. Para manter um estado de saúde, todos os sistemas de energia dentro do corpo precisam existir em um estado de equilíbrio. O desequilíbrio leva a condições de desconforto (doença) que eventualmente se transformam em problemas de saúde se não forem corrigidos. Os chineses e indianos (medicina ayurvédica) resolveram tudo isso há milhares de anos atrás.

A Medicina Ortodoxa ou Alopática utiliza substâncias venenosas (drogas) em dosagens não letais para suprimir os sintomas em uma área afetada. Essa abordagem não ataca a causa da condição da doença, nem é responsável pela cura do paciente. Em vez disso, o uso de drogas muitas vezes mascara temporariamente as manifestações externas da doença, enquanto, ao mesmo tempo, leva a doença mais profundamente no corpo… Uma das muitas falhas da abordagem ortodoxa é que ela se concentra na condição da doença em si, e não no paciente. O termo holístico (ou holístico) surgiu originalmente para distinguir os médicos cuja gestalt diagnóstica considera todas as energias físicas, emocionais e espirituais que interagem com o paciente.

Não assuma que a única diferença entre a medicina alopática e a alternativa, no entanto, é uma honesta diferença de opinião nas filosofias e pontos de vista sobre a origem dos estados de doença. Dificilmente! Existe, na verdade, uma agenda concentrada e organizada – inventada, planejada e arquitetada pelas empresas farmacêuticas internacionais e pela medicina organizada para suprimir toda e qualquer terapia alternativa não medicamentosa que FUNCIONE. Por quê?

Porque eles querem que as pessoas continuem voltando para mais tratamentos e mais remédios. Essa é a Big Pharma!

Um paciente curado é uma fonte de renda perdida. Um paciente doente que está marginalmente “melhorado” é um paciente gerenciável.

Gerenciar pacientes significa visitas de rotina ao consultório e renovação de prescrições de medicamentos. Portanto, um paciente gerenciável é uma fonte contínua de renda; um pedaço de carne de dinheiro, se você quiser. Multiplique isso por algumas centenas de milhões de pessoas e você terá uma ideia de por que esse engano está sendo colocado sobre você. Os lucros da chamada indústria de “cuidados de saúde” são assombrosos!

O impulso da agenda farmacêutica ortodoxa é fornecer alívio temporário, sem nunca abordar a causa da condição da doença. Essa agenda garante visitas regulares ao consultório médico e exige que o paciente retorne rotineiramente à farmácia para reabastecer suas prescrições. Esse é o jogo! Fique com ele ou saia dele! Você escolhe.

Cura Natural
O sistema imunológico do paciente e o sistema imunológico sozinho são responsáveis pela cura e recuperação de problemas de saúde. O uso de medicamentos e vacinas representa uma agressão ao sistema imunológico. Em alguns casos, o uso de um determinado medicamento pode ser uma escolha sábia para acelerar a cura e a recuperação do paciente, mas o uso de terapias ortomoleculares naturais e substâncias (substâncias normalmente encontradas na natureza) que podem tratar de forma mais eficaz a causa da doença deve ser considerada, em primeiro lugar, porque as substâncias naturais trabalham em harmonia com a natureza. Eles ajudam e estimulam o corpo a se curar verdadeiramente, sem os terríveis efeitos colaterais das drogas.

image

O corpo humano está predisposto a se curar e a existir como um organismo saudável e próspero. Inibimos esse processo ingerindo alimentos não saudáveis, poluindo nosso ambiente interno com toxinas e confiando em substâncias venenosas para tratar doenças.

Ao contrário das ‘drogas milagrosas’ e outras ‘descobertas’, você nunca verá ou ouvirá nada da grande mídia sobre a maioria das terapias descritas aqui. A Big Pharma cuida disso, mas você ainda pode obter essas informações na imprensa de saúde alternativa, livros, sites e em exposições de saúde. Algumas dessas terapias alternativas requerem equipamentos de alta tecnologia e conhecimento especializado, mas muitas, muitas outras podem ser feitas em casa sem intervenção ou supervisão de terceiros. É incrível, mas é verdade, que muitas das terapias de cura mais eficazes (mesmo para doenças graves e com risco de vida) são coisas simples que você pode fazer por si mesmo em casa. Você simplesmente tem que se educar e assumir a responsabilidade por sua própria saúde.

A seguir, uma breve visão geral de algumas terapias alternativas que demonstraram ser eficazes e de fácil obtenção, geralmente a um custo baixo e modesto. Esta lista está longe de ser completa. Conforme o tempo permitir, a descrição e o escopo dessas e de outras terapias serão adicionados e expandidos.

Terapias Oxidativas

Água MMS1, MMS2 e CDS
Misture partes iguais (gotas) de solução de Clorito de Sódio a 28% e solução de Ácido Cítrico a 50% e você obterá MMS (solução mineral milagrosa, nome cunhado por Jim Humble), uma solução germicida incrivelmente eficaz e poderosa e terapia curativa. Uma molécula oxidante muito simples, mas poderosa, chamada gás Dióxido de Cloro, é liberada quando o MMS é ativado. O átomo de cloro é capaz de extrair CINCO elétrons da órbita externa das membranas de TODOS os organismos patogênicos. Isso causa a morte imediata do organismo, mas NÃO tem nenhum efeito adverso no tecido corporal normal.

A Ciência Básica do MMS (Dióxido de Cloro) 4 de setembro de 2012
http://educate-yourself.org/mms/chlorinedioxidebasics004sep12.shtml

Como fazer água de CDS, o mais poderoso assassino de germes e erradicador de doenças do mundo, em casa ~ para quase nada (15 de março de 2013)
http://educate-yourself.org/mms/cdsproductionexplained15mar13.shtml

Newsletter de Jim Humble (MMS): “Milaria finalmente derrotada” (6 de maio de 2013)
http://educate-yourself.org/cn/milariadefeated06may13.shtml

As terapias de oxigênio abrangem mais do que a aplicação de oxigênio regular (O2), embora o oxigênio regular possa acelerar e auxiliar a cicatrização; especialmente quando usado em concentrações acima do normal e sob pressão, como usado em Câmaras de Oxigênio Hiperbárico. A Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB) tem sido tradicionalmente utilizada para desintoxicação rápida em situações agudas, mas também tem se mostrado extremamente eficaz para novas vítimas de AVC. Verificou-se que quase todas as condições usuais (paralisia, fala arrastada/sem fala, etc.) associadas a um acidente vascular cerebral podem ser minimizadas ou eliminadas completamente submetendo o paciente a um tratamento com oxigênio hiperbárico nas primeiras 36 horas após um acidente vascular cerebral. Quanto mais rápido o paciente puder ser tratado desde o início do AVC, melhores serão os resultados. Mesmo os casos iniciados alguns dias ou mesmo semanas após um AVC mostraram resultados notáveis. A OHB também se mostrou útil em casos envolvendo outras formas de dano cerebral.

Terapias de Mono-Oxigênio
Os átomos de oxigênio podem ser configurados em certos arranjos quase estáveis que permitirão que um único átomo de oxigênio seja liberado. Este átomo é chamado de mono-oxigênio (O1). Para fins terapêuticos, átomos simples de oxigênio podem ser liberados a partir de peróxido de hidrogênio (H2O2) que se decompõe em água (H2O) e um mono-oxigênio (O1), e também de ozônio (O3), que se reduz a oxigênio (O2) e um mono-oxigênio. Quando um átomo de mono-oxigênio é liberado dentro do corpo, ele é altamente reativo e irá oxidar (reduzir ou quebrar) a estrutura molecular de organismos indesejáveis e prejudiciais (bactérias, proteínas estranhas, etc.) e tecidos doentes (por exemplo, células cancerosas). Esta forma de alta energia de oxigênio (O1) possui uma capacidade de cura muito maior do que a exibida pelo oxigênio regular (O2).

Peróxido de Hidrogênio
Um frasco de peróxido de hidrogênio 3½% está disponível em qualquer farmácia por menos de um dólar e pode ser usado diariamente para manter a boca e as gengivas livres de germes (sempre use força total e tente reter na boca o maior tempo possível). Também deve ser aplicado conscientemente para desinfetar qualquer tipo de infecção oral, corte, ou ferida. Para uso externo, a variedade de peróxido de hidrogênio da farmácia é boa, mas tem alguns níveis baixos de contaminantes. Para uso interno, é mais sensato usar peróxido de hidrogênio de grau alimentício. Você pode fazer seu próprio peróxido de hidrogênio a 3½% diluindo 35% de peróxido de hidrogênio de qualidade alimentar em uma proporção de 10:1 com água destilada. No entanto, isso não deve impedi-lo de usar peróxido de hidrogênio de grau farmacêutico externamente – se você estiver com a saúde normal. As pessoas que tentam se recuperar de doenças graves, como AIDS ou câncer, precisam se preocupar mais com a ingestão de contaminantes. 35% de peróxido de hidrogênio de grau alimentício está disponível em muitas lojas de suprimentos agrícolas ou correspondentes. Por ser mais concentrado, o peróxido de hidrogênio a 35% pode produzir resultados espetaculares quando aplicado de forma inteligente. O peróxido de hidrogênio também pode ser aplicado internamente como injeções (diretamente em um tumor canceroso, por exemplo) ou por via intravenosa na corrente sanguínea. Se devidamente diluído, o peróxido de hidrogênio também pode ser ingerido.

‘Estudos’ patrocinados pelo Cartel Médico
Claro, você tem que saber o que está fazendo. Em concentrações mais altas, o H2O2 é poderoso e pode queimar tecidos, mas procure a imprensa de saúde alternativa para obter informações de profissionais que estão realmente usando essa terapia. Não espere um acesso honesto da indústria alopática. Como a maioria das soluções naturais baratas e não patenteáveis, o cartel farmacêutico/medicamento organizado tentará afastá-lo do uso dessas terapias com histórias assustadoras de perigos exagerados, omissão de dados relevantes e inserção de declarações enganosas.

Por exemplo, eles apontarão para estudos com ratos que mostram aumento do câncer de estômago pela ingestão de H2O2. Ao promover este ‘estudo’, o cartel quer que você chegue à conclusão de que terá câncer de estômago ao injetar peróxido de hidrogênio, sem realmente dizer isso. Nenhum detalhe adicional, como a concentração do peróxido administrado, frequência de dosagem, quantidade dada em relação ao peso corporal, etc., são fornecidos sobre o ‘estudo’ nestes relatórios de imprensa – apenas a conclusão final.

É claro que os pesquisadores mais experientes sabem que estudos com ratos não equivalem a estudos com pessoas. Os estudos com ratos, de fato, têm um alcance extremamente limitado de aplicabilidade para fins de extrapolação humana. Além disso, a maioria dos estudos é financiada por empresas farmacêuticas ou agências governamentais e tem uma agenda que não tem nada a ver com investigação científica sincera. Ralph Moss e Linus Pauling são dois indivíduos que vêm à mente que analisaram diferentes ‘estudos’ patrocinados por cartéis e demonstraram claramente que os Big Boys podem e irão distorcer um ‘estudo’ em qualquer direção que desejarem. A honestidade científica entre os grupos de investigação patrocinados por cartéis é um mito. Todas as faculdades de medicina, universidades de ensino e organizações governamentais de saúde, como o Instituto Nacional de Saúde (NIH), Instituto Nacional do Câncer, Academia Nacional de Ciências, etc., estão todas sob o guarda-chuva de propaganda deste cartel.

Ozônio
O ozônio (O3) é composto de três átomos de oxigênio levemente unidos. Um desses átomos pode facilmente se separar e formar oxigênio regular (O2) e um átomo de mono-oxigênio (O1). Através da oxidação, o átomo de mono-oxigênio é capaz de produzir resultados de cura surpreendentes. O ozônio pode ser produzido com uma faísca quente ou “fria”, com luz ultravioleta, ou com um método inventado por Nikola Tesla, chamado produção de ozônio de plasma frio. O método de plasma frio produz quantidades muito maiores de ozônio e é o meio de produção preferido para fins terapêuticos. Máquinas maiores de ozônio de plasma frio só podem ser compradas legalmente fora dos Estados Unidos, mas existem unidades subterrâneas do tamanho de ‘malas’ sendo fabricadas clandestinamente nos EUA.

Todos os geradores de ozônio de plasma frio podem facilmente produzir água ozonizada de alta qualidade, que pode ser ingerida quantas vezes desejar. Os efeitos de beber água ozonizada regularmente podem ser muito saudáveis. Pessoas com doenças graves notarão efeitos mais pronunciados em um espaço de tempo mais curto do que aqueles que estão em boa saúde, mas os benefícios da água ozonizada são percebidos por todos que a utilizam, independentemente de você ter um sério problema de saúde ou não. O ozônio da água ozonizada passa para a corrente sanguínea através do estômago/intestino delgado e fornece os benefícios do ozônio sem a necessidade de equipamentos caros. Algumas pessoas notam uma leve sensação de tontura na primeira vez que bebem água com ozônio. É temporário e geralmente só acontece na primeira vez – se é que acontece. A reação se deve a um pouco mais de oxigênio chegando ao cérebro do que o normal. Ingerida diariamente, a água com ozônio enviará progressivamente ozônio para os tecidos mais profundos do corpo, oxidando resíduos de drogas não orgânicas e patógenos ocultos e latentes. Você pode se surpreender ao saber que o vírus que lhe deu catapora quando criança ou herpes quando adulto ou jovem ainda está escondido nas profundezas do corpo, como no gânglio nervoso na base da coluna. Seu sistema imunológico desenvolveu anticorpos que normalmente mantêm esses insetos residuais sob controle, mas isso não significa que os insetos se foram, como qualquer pessoa que sofre ataques recorrentes de herpes atestará. Mas se você atingi-los por tempo suficiente e com força suficiente com ozônio (ou certas outras terapias alternativas), eles desaparecerão para sempre.

Outro produto útil que pode ser aplicado topicamente é chamado de Azeite Ozonizado. É feito borbulhando ozônio no azeite por um período considerável de tempo (semanas) até que o azeite fique saturado com as moléculas de ozônio e se torne muito mais espesso. Depois, o produto pode ser aplicado como um bálsamo em áreas infectadas e muitas vezes promoverá e/ou acelerará a cicatrização.

Métodos de Aplicação de Ozônio
Medicamente, o ozônio pode ser aplicado de diferentes maneiras. Um dos métodos mais antigos, utilizado na Alemanha há mais de 60 anos, chama-se Autohemoterapia. Esta técnica envolve a remoção de cerca de meio litro de sangue, ozonizando-o e devolvendo-o por via intravenosa ao paciente. Funciona, mas é bastante limitado na quantidade de ozônio aplicada.

Outro método tem o paciente conectado a uma máquina do tipo diálise com sangue saindo de um braço, passando pela máquina para ozonização e retornando através de tubos conectados ao outro braço. Você obtém muito mais ozônio no corpo com essa técnica, mas os mecanismos de bombeamento usados para empurrar o sangue podem danificar um pouco as membranas dos glóbulos vermelhos.

Uma terceira técnica é chamada de injeção de ozônio. Como o próprio nome indica, o ozônio é cuidadosamente e lentamente injetado no paciente. O ozônio, lembre-se, é composto de átomos de oxigênio. O oxigênio se dissolve no sangue; não forma bolhas na corrente sanguínea como o ar, que é composto de oxigênio e 80% de nitrogênio. Muitos especialistas em ozônio preferem esse método posterior, mas cada uma dessas técnicas de ozônio tem seus defensores.

image

Terapia de pH Alcalinizante
Vernon Johnston recebeu a típica sentença de morte por um câncer de próstata que avançava rapidamente e que havia começado a metastatizar para seus ossos (que os médicos ortodoxos do câncer lhe disseram estar no estágio IV). Ele encomendou uma mistura alcalinizante de césio pela internet projetada para aumentar o pH, mas não chegou a tempo, então a lógica lhe disse que o bicarbonato de sódio também deveria funcionar para alcalinizar seu pH. Ele decidiu usar o melaço de tira preta como um “transportador” para levá-lo às células cancerígenas. Ele ainda está vivo e livre do câncer, 5 anos depois de seu “Dance with Cancer”, de 2008.

Vernon Johnson cura câncer de próstata/osso com bicarbonato de sódio e melaço preto
http://educate-yourself.org/cn/bakingsodamolassescancercure2008.shtml

Atualização de cinco anos sobre o Vernon Johnston que curou o câncer de próstata estágio IV com bicarbonato de sódio (12 de novembro de 2013)
http://educate-yourself.org/cn/vernonjohnstonupdate16oct13.shtml

Bioeletromedicina
Existem vários dispositivos que usam campos elétricos especializados para alterar a função ou condição de tecidos, organismos ou células-alvo dentro do corpo. Esses campos elétricos podem ser programados para promover a cicatrização de tecidos saudáveis ou inibir o crescimento de organismos indesejados. Onde há campos elétricos, também há campos magnéticos, geralmente girados a 90 graus um do outro. A interação dos campos elétrico e magnético desempenha um papel nesta terapia, mas a frequência, a forma da onda, a duração e a polaridade do pulso, etc., dependendo do cuidado e atenção dada a esses parâmetros.

Esta não é necessariamente uma nova tecnologia. Na virada do século 19, Nikola Tesla patenteou muitas Electro-invenções que demonstraram incríveis atributos de promoção da saúde; alguns deles baseados no uso de seus circuitos geradores de pulso DC de alta frequência e alta tensão que produziam uma nova forma de energia derivada do éter, chamada Energia Radiante. Tesla havia até patenteado um gerador de ozônio de plasma frio altamente eficiente, em 1893.

Dr. Royal Rife
No final dos anos 20 e início dos anos 30, o Dr. Royal Raymond Rife, de San Diego, Califórnia, desenvolveu um microscópio de alta potência que ele usou em conjunto com um gerador de frequência. Usando luz UV especial, o microscópio de Rife foi capaz de ampliar 60 mil vezes! Este grau de ampliação permitiu que ele observasse organismos vivos de vírus e bactérias, enquanto aplicava a frequência MOR (Mortal Oscillatory Resonance) de seu gerador de frequência, através da radiação do tubo de plasma da energia. Ele foi capaz de destruir todos os tipos de organismos que provocam doenças (incluindo organismos relacionados ao câncer) simplesmente ‘sintonizando’ o gerador para a frequência de ressonância correta desses organismos e aplicando os campos elétricos oscilantes, através do plasma acionado, “Beam Ray Tube”. Tudo no universo, vivo ou morto, tem sua própria frequência de ressonância. Se você aplicar essa frequência ressonante exata ao objeto ou organismo, ele começará a vibrar até que literalmente se estilhace. Todos vocês já viram o copo de vinho e a demonstração do cantor de ópera. O mesmo funciona para os micróbios.

Ampliações de 60.000x é um grau inédito de ampliação em um microscópio de luz, mesmo para os padrões técnicos atuais. O microscópio eletrônico de hoje pode fornecer alta ampliação, mas só pode ver organismos MORTOS. A capacidade de visualizar microrganismos em estado VIVO é de grande importância para objetivos diagnósticos e terapêuticos. Este é um ponto extremamente importante para entender.

O microscópio de Rife não desempenhou nenhum papel na destruição real dos organismos patogênicos, mas permitiu que ele visse os efeitos dos campos elétricos do tubo de feixe de raios sobre o próprio organismo. À medida que Rife ajustava e sintonizava seu gerador de frequência para a frequência correta, ele pôde observar a desintegração das bactérias, parasitas ou vírus sob a influência dos campos eletromagnéticos ressonantes exercidos pelo Beam Ray Tube.

No início, as enormes realizações de Rife foram espalhadas pela imprensa. Ele foi festejado e recebido pelas elites médicas locais da época que esperavam subir no Glory Bandwagon com ele e ter sua caneca publicada no jornal com a manchete: “homem que poderia finalmente acabar com o câncer”. Mas os Big Boys finalmente o alcançaram. Estou me referindo aos puxadores de cordas da Big Pharma. Desnecessário dizer que, uma vez que a notícia do sucesso de Rife começou a se espalhar muito, ele foi rapidamente “neutralizado” pela medicina organizada e desmoralizado na obscuridade (contencioso judicial sem fim, acusações de quakery, intimidação de financiadores, incêndio de laboratórios, etc. – a rotina “usual”). Seu principal perseguidor era o chefe da Associação Médica Americana e editor-chefe do Jornal da Associação Médica Americana. Seu nome era Dr. Morris Fishbein e ele nunca tratou um paciente em sua vida. foi motivado mais por um desejo absoluto de ganância e poder, e menos pelo desejo de salvar vidas. Não conseguindo convencer Rife a vender-lhe os direitos exclusivos de sua técnica e terapia, Fishbein partiu para esmagar Rife com vingança. As injustiças ultrajantes contra Rife por Fishbein e o establishment médico são explicados em grande profundidade em um livro de Barry Lynes, chamado The Cancer Cure That Worked.

Dr. James Bare, de Albuquerque, Novo México, também publicou um manual e um vídeo sobre como construir seu próprio dispositivo Rife
(http://www.rt66.com/~rifetech/ ). Veja esta página especial dedicada aos links de Royal Rife que o levarão a muitos sites excelentes falando sobre Rife e seu trabalho (http://educate-yourself.org/cancer/rifelinks.shtml).

Saiba mais sobre o Dr. Rife,

Geroges Lakhovsky
Outro brilhante observador e pensador foi o engenheiro nascido na Rússia, Georges Lakhovsky. Lakhovsky teorizou que os filamentos genéticos dentro do núcleo de uma célula viva agiam como uma bobina e exibiam todas as propriedades exigidas de um oscilador; a saber: indutância, capacitância e resistência. Lakhovsky postulou que todas as células vivas, incluindo organismos patogênicos, poderiam atuar como emissores e receptores de oscilações de frequência muito alta.

De acordo com sua teoria, um estado de saúde ou doença dependia de as oscilações das células saudáveis serem mantidas (um estado de equilíbrio) ou superadas pelas oscilações das células causadoras de doenças (desequilíbrio). Ele descobriu que poderia aumentar o nível oscilatório de células enfraquecidas e superar a doença anexando uma simples ‘antena’ em forma de bobina à área afetada e deixando-a no lugar. Lakhovsky se referia a essas antenas como circuitos oscilantes e eram usadas pelas pessoas como colares, cintos ou pulseiras. Ele alegou que suas ‘antenas’ capturavam e focalizavam ondas simpáticas do cosmos (ondas cósmicas) que ressoavam com harmônicos da frequência fundamental na qual a célula enfraquecida oscilava.

Sempre que energia oscilante adicional (de ondas cósmicas), de mesma frequência ou harmônicos dessa frequência, é introduzida em um circuito oscilante (o núcleo da célula), as oscilações dentro dessa célula serão reforçadas através de um fenômeno da física chamado ressonância. De acordo com Lakhovsky, as oscilações agora fortalecidas que emanam da célula humana, anteriormente enfraquecida, podem agora ultrapassar as oscilações dos organismos causadores de doenças e fazer com que eles diminuam em força e, posteriormente, morram.

Lakhovsky realizou um experimento com plantas, em 1924, para estabelecer a validade de sua teoria. Ele inoculou dez plantas de gerânio em vasos com uma doença que causa tumores cancerígenos. Enrolado no caule de um dos gerânios, ele prendeu uma bobina aberta de fio de cobre grosso com cerca de 30 cm de diâmetro. Ele foi mantido no lugar por uma estaca de ebonite presa no pote. Enquanto os outros nove gerânios inoculados sucumbiram rapidamente à doença cancerosa, o único gerânio com a bobina anexada (as ‘antenas) se livrou do crescimento canceroso e prosperou em uma planta robusta e saudável. Lakhovsky teve sucesso semelhante quando essas bobinas de antenas (os ‘circuitos oscilantes’ mencionados acima) foram usadas com pessoas e animais. Mais tarde, ele expandiu sua pesquisa com o desenvolvimento do oscilador Multi-Wave (explicado abaixo).

Oscilador Multi-onda de Lakhovsky (MWO)
Geroges Lakhovsky publicou um livro extremamente importante em francês, alemão, italiano e espanhol, na década de 1920, chamado “O Segredo da Vida”. Infelizmente, não estava disponível em inglês até setembro de 1939 – no início da Segunda Guerra Mundial. Ocupado com o drama emergente da Segunda Guerra Mundial, o livro passou despercebido e não foi revisado. Graças ao Dr. Bob Beck, no entanto, muitos pesquisadores estão hoje redescobrindo o surpreendente oscilador multi-onda de Lakhovsky.

Este instrumento fabrica uma ampla gama de sinais pulsados de alta frequência que irradiam energia para o paciente por meio de dois ressonadores: um ressonador atuando como transmissor e o outro como receptor. O paciente senta-se em um banquinho de madeira entre os dois ressonadores e fica exposto a essas energias por cerca de 15 minutos. Essas energias aumentam a ressonância das células saudáveis e criam desequilíbrio nos organismos doentes. Seus resultados clínicos criaram muito entusiasmo na Europa, onde sua reputação se espalhou rapidamente. Você pode ler mais sobre o MWO, na página de Georges Lakovsky. Os leitores interessados podem obter uma reimpressão em espiral da tradução inglesa de Lakhovsky, de 1939, de “O Segredo da Vida” e “As Ondas que Curam”, de Mark Clement.

Bob Beck Resgata MWO de Lakhovsky da Obscuridade
No início dos anos 60, o Dr. Bob Beck encontrou um original Lakhovsky Multi-Wave Oscillator no porão de um conhecido hospital do sul da Califórnia. Ele o desmontou e descreveu exatamente como foi construído em uma série de artigos publicados pela Borderlands, em 1963. Depois que os artigos de Beck foram publicados, vários construtores começaram a montar MWO’s e a palavra começou a se espalhar.

Dois construtores de MWO que moravam na costa oeste, usando as informações contidas nos artigos da Beck, começaram a fabricar e vender muitos osciladores multi-onda. Aparentemente, eles funcionaram muito bem porque o FDA ficou sabendo da crescente popularidade do MWO e disse a Beck para ir a Washington. Beck e os dois construtores foram instruídos a pararem de promover o MWO e pararem de construí-los. Eles foram informados em termos inequívocos para cessar e desistir imediatamente – ou então…

Beck e um dos construtores do MWO, Ed Skillings, concordaram e pararam de construí-los e falar sobre eles, mas o segundo construtor, Ralph Bergstresser, estava determinado a continuar, então, ele realmente formou uma igreja dedicada ao culto do MWO. Sim, você leu corretamente. E, pelo menos por alguns anos, seus ‘paroquianos’ puderam vir à igreja, sentar-se ao redor do MWO empoleirado no alto de um altar, com antenas ressonadoras brilhando – e receber as ‘ondas abençoadas’ do Oscilador Sagrado. Ajudou muitos frequentadores da igreja, até que o ‘pastor’ foi finalmente jogado na prisão pelos federais e teve sua versão moderna da Arca da Aliança levada embora. Ele saiu depois de alguns anos, mas ainda continuou construindo MWO’s de qualquer maneira (Deus abençoe Ralph), distribuindo-os através de fontes ocultas. Muitos proprietários atuais de MWO’s dizem que ainda estão funcionando corretamente e estão usando unidades construídas por cópias do trabalho do “pastor”.

Eletrificação do Sangue
Nos últimos anos, diferentes unidades de eletromedicina foram promovidas em exposições de saúde e através de artigos de revistas, entrevistas, livros, etc. Um dos dispositivos mais interessantes é o eletrificador de sangue do Dr. Bob Beck. Eu vi relatórios de laboratório e estudos do Conselho de Revisão Institucional que parecem apoiar claramente as afirmações feitas pelo Dr. Bob Beck de que seu dispositivo de eletrificação do sangue causou ‘remissão espontânea completa’ em literalmente milhares de pacientes com AIDS. Dr. Beck descobriu as possibilidades oferecidas pela eletrificação do sangue depois de ler um pequeno artigo, em 1991, em um jornal chamado Science News.

image

A Descoberta
No outono de 1990, dois pesquisadores, Drs William Lyman e Steven Kaali, trabalhando no Albert Einstein Medical College, em Nova York, fizeram uma importante descoberta. Eles descobriram que poderiam inativar o vírus HIV aplicando um potencial choque elétrico de corrente contínua de baixa voltagem com um fluxo de corrente extremamente pequeno ao sangue infectado com AIDS em um tubo de ensaio. Inicialmente, eles descobriram isso no laboratório, inserindo dois eletrodos de platina em um tubo de vidro cheio de sangue infectado pelo HIV-1 (tipo 1). Eles aplicaram uma corrente direta aos eletrodos e descobriram que um fluxo de corrente na faixa de 50-100 microamperes (uA) produzia os resultados mais eficazes. Praticamente todas as partículas virais do HIV foram afetadas adversamente, enquanto as células sanguíneas normais permaneceram ilesas. As partículas virais não foram destruídas diretamente pela corrente elétrica, mas o revestimento proteico externo do vírus foi afetado de forma a impedir que o vírus produzisse transcriptase reversa, uma enzima necessária ao vírus para invadir as células humanas. A transcriptase reversa permite que o vírus entre em uma linhagem de células T humanas (chamada CEM-SS) e comande a maquinaria de reprodução do DNA. Depois de usar a célula hospedeira para se reproduzir em milhares de novos vírus, a célula hospedeira inchada (agora chamada de sincícios ou células gigantes) explodirá e vomitará o conteúdo na corrente sanguínea ou no sistema linfático. É assim que o vírus se espalha, mas sem a transcriptase reversa, o vírus HIV não consegue invadir a célula hospedeira e fica vulnerável à destruição pelo sistema imunológico do corpo.

Tirando a Palavra?
Um breve anúncio dessa descoberta apareceu no The Houston Post (20 de março de 1991), depois no Science News (30 de março de 1991, pág. 207) e mais tarde na revista Longevity: (dezembro de 1992, pág. 14). Após seu trabalho no outono de 1990, Kaali e Lyman apresentaram suas descobertas no Primeiro Simpósio Internacional sobre Terapias Combinadas (uma conferência sobre AIDS) em Washington DC, em 14 de março de 1991. Kaali delineou dois métodos para tratar um paciente com AIDS com esta nova terapia: um método envolvia remover uma pequena quantidade de sangue, eletrificá-lo e depois devolvê-lo ao corpo do paciente. O segundo método envolvia costurar uma fonte de alimentação eletrizante em miniatura junto com dois minúsculos eletrodos diretamente no lúmen de uma artéria. Para tratamento de longo prazo, a mini-unidade eletrificante precisava ser removida e realocada para um novo local da artéria após 30-45 dias, pois o tecido cicatricial e a calcificação que se formavam ao redor da unidade de implante levariam ao bloqueio da artéria. Kaali (junto com o co-inventor Peter Schwolsky) registrou uma patente para este dispositivo eletrificante implantável, em 16 de novembro de 1990, e nove meses depois recebeu a patente nº 5.139.684, em 18 de agosto de 1992. É interessante notar duas coisas aqui:
1. Para obter uma patente do Escritório de Patentes dos Estados Unidos, Kaali e Schwolsky tiveram que provar que o dispositivo funciona como reivindicado. Na falta de provas sólidas, as patentes simplesmente não são concedidas.
2. Muitas vezes leva anos para obter uma patente, mas esta patente foi concedida em apenas nove meses; mais uma indicação para mim da força de suas alegações comprovadas

Também é interessante notar que além das 3 publicações mencionadas acima e da conferência sobre AIDS de março de 1991, nada mais apareceu na imprensa, rádio ou TV sobre esta importante descoberta, como um potencial tratamento e cura para AIDS, de Kaali e companhia. A maioria dos observadores experientes acham que a descoberta de Kaali e Lyman foi intencionalmente suprimida após a apresentação da conferência sobre AIDS, em março de 1991. Se a pesquisa sobre Aids estivesse no nível e não na farsa que realmente é, isso deveria ter sido notícia de primeira página em todo o mundo. A propósito, em julho (2000), uma mulher com Mycoplsma Incognitus (doença da Guerra do Golfo) me enviou um e-mail e me disse (depois de ler esta história) que ela havia ligado para Albert Einstein College e falado diretamente com o Dr. e co-descobridores da eletrificação do sangue. Ela queria saber o quão eficaz ele achava que a eletrificação do sangue funcionaria contra o micoplasma. Lyman disse a ela que não tinha ideia do que ela estava falando. Ele negou saber qualquer coisa sobre eletrificação do sangue e não podia dar a ela nenhuma informação sobre isso. Tal é o poder do cartel médico.

Entra Dr. Bob Beck
Um homem chamado Professor Walter Schnitder chamou a atenção do Dr. Robert C. Beck para o item acima mencionado no Science News. Beck procurou a patente e decidiu tentar duplicar a terapia, mas queria fazê-lo de forma não invasiva; isto é, aplicando a corrente elétrica de fora do corpo. Agora, se você aplicar um potencial de corrente contínua (DC) na pele, você terá um efeito de eletrólise e isso pode causar problemas, então Beck projetou um circuito que variava a tensão com uma corrente alternada (AC) em um nível muito baixo. Tal frequência evitou o problema da eletrólise. A forma de onda que Beck escolheu não é a onda senoidal típica vista em tomadas domésticas, mas sim uma onda quadrada bifásica. Ondas quadradas geram um grande número de harmônicos. Harmônicos são múltiplos de frequência da frequência original. Por exemplo, uma onda quadrada de 4 Hertz pode produzir harmônicos (com o equipamento certo) de 8Hz, 16Hz, 32Hz, etc. até a faixa de radiofrequência. Beck finalmente estabeleceu 3,92Hz como a frequência base ideal e montou um esquema do oscilador de onda quadrada simples, incluindo uma lista completa de peças. Ele usou hastes de solda de aço inoxidável curtas, de uma polegada, com fios anexados para eletrodos e começou a experimentar em si mesmo.

Gradualmente, ele começou a se sentir mais forte, tinha mais energia e começou a perder seu peso excessivo. Depois de 7 ou 8 meses, seu peso caiu e  ele se sentiu melhor do que nunca. Ele foi ao circuito de palestras, falou de graça, e deu o esquema e as informações relacionadas à construção/protocolo gratuitamente. Pacientes com AIDS, particularmente, experimentaram reversões dramáticas de suas condições deterioradas usando o eletrificador de sangue, mas a unidade parecia ajudar muitas outras condições também, sejam de origem autoimune, viral ou bacteriana.

Terapia Eletromagnética Pulsada (PEMT)
Sinais AC pulsados de baixa, média e alta frequência, quando aplicados ao corpo, podem produzir campos elétricos/magnéticos terapêuticos. Devidamente configurados, eles também podem produzir ondas escalares. Os atributos especiais das ondas escalares foram descritos matematicamente pela primeira vez por James Clerk Maxwell, em 1873, e mais tarde por Nikola Tesla. Um certo tipo de campo eletromagnético pulsado, com suas ondas escalares, parece estimular o re-crescimento e a regeneração do tecido lesado. Ondas covalentes (ondas senoidais convencionais) não têm o mesmo efeito. O Dr. Robert O. Becker, MD, discute esse fenômeno em dois de seus livros recentes que tratam da eletromedicina: The Body Electric (1985) e Cross Currents (1990).

Terapias Nutricionais
Introdução

“Você é o que você come!”. Sua mãe já te disse isso? Bem, a minha sim, mas eu não apreciei a sabedoria dessas palavras até me aproximar da meia-idade. Hoje, percebo que o maior impedimento para desfrutar de um estado de saúde verdadeiramente robusto é a Dieta Americana Padrão (apropriadamente abreviada, SAD). Embora possamos gastar muito tempo em detalhes, uma versão curta da dieta SAD pode ser resumida da seguinte forma: Alimentos refinados e processados podem arruinar sua saúde e diminuir sua imunidade, preparando você para doenças.

Para obter um nível mais alto de imunidade e melhorar a saúde, é necessário parar de comer alimentos processados e refinados e começar a comer vegetais crus, feijão, grãos, nozes, plantas marinhas (algas marinhas), uma pequena quantidade da vida dos peixes se você quer proteína animal e muita água pura e limpa.

Mudar Gradualmente
Se você tentar mudar tudo sobre sua dieta de uma só vez, você não vai ficar bem. Vai devagar. Mude um item de cada vez e se acostume com a alternativa mais saudável antes de atacar outro.

image

Comece com refrigerantes. Todos os refrigerantes são simplesmente ruinosos para sua saúde. Coca-Cola, 7-Up, Pepsi, Sprite, Dr Pepper, etc. É TUDO LIXO e ESTÁ ARRUINANDO SUA SAÚDE. Leia os ingredientes na lateral de uma lata de refrigerante. Geralmente listará 17-24 gramas de açúcar. Isso é o equivalente a 6-10 colheres de chá de açúcar. Quando você ingere açúcar refinado, você diminui a imunidade do seu corpo por QUATRO HORAS. Se você está bebendo refrigerantes aqui e ali ao longo do dia, então você está mantendo sua imunidade suprimida o dia todo. Pessoas com imunidade suprimida parecem pegar facilmente todos os bugs que estão por aí.

Outro problema com refrigerantes é a tremenda quantidade de FÓSFORO contido neles. Grandes quantidades de fósforo são más notícias para o corpo porque se combinam com outros minerais (como o cálcio) e os prendem para eventual excreção. Agora o cálcio é um mineral que seu corpo PRECISA em grandes quantidades na corrente sanguínea para uso diário. Se o seu refrigerante está tirando o cálcio da corrente sanguínea, onde o corpo obtém o cálcio de que precisa para os trabalhos diários? Ora, isso é obtido de seus dentes e ossos!

As mulheres que estão preocupadas com a osteoporose estariam muito à frente do jogo evitando refrigerantes (e excesso de proteína animal), em vez de falir comprando suplementos de cálcio na loja de alimentos naturais.

Substitua os refrigerantes por ÁGUA. Geralmente leva alguns dias para quebrar um vício em açúcar. Satisfaça seu desejo por açúcar comendo frutas doces (como bananas) durante um período de adaptação. Eventualmente, você passará a amar a água potável, especialmente a água ozonizada. Quanto mais você beber, melhor você vai se sentir. Tente!

A Dieta Budwig
A Dra. Joanna Budwig, alemã de 90 anos, indicada 6 vezes para o Prêmio Nobel, fez a descoberta mais notável de todas! Após 30 anos de pesquisa, ela descobriu que 2 alimentos simples: 1. Óleo de semente de linho (prensado a frio, não processado) e 2. Queijo cottage com baixo teor de gordura cura ou previne muitas formas de câncer e uma longa lista de outras doenças degenerativas, incluindo doenças cardiovasculares e doenças de pele! O óleo de semente de linho não processado fornece 2 ácidos graxos essenciais seriamente deficientes na dieta americana padrão: ácidos linolênico e linoleico. Esses dois ácidos graxos insaturados têm 3 ligações duplas de alta energia (elétrons pi) em suas camadas externas de elétrons. Esses ácidos graxos afetam as membranas das células animais e permitem um aumento de mil vezes no transporte e assimilação de oxigênio! Ao aumentar substancialmente o potencial de oxidação dentro da célula, Budwig provou o que seu predecessor alemão, Otto Warburg, havia descoberto 30 anos antes: células cancerosas não podem sobreviver em um ambiente rico em oxigênio. Com proteínas ricas em enxofre e cálcio fornecidos pelo queijo cottage, todos os elementos estão no lugar para o reparo da membrana e aumento da transferência de energia. Uma notícia de 2001, postada na Internet pela Duke University, chamou minha atenção (e ira) alegando estar na trilha de uma ‘nova’ descoberta sobre os benefícios anticancerígenos do óleo de linhaça. Entrei em contato com o editor e expliquei alguns fatos históricos. Para se recuperar do câncer, a Dieta Budwig precisa ser tomada em conjunto com uma dieta rigorosa e promotora da saúde, livre de alimentos processados e desvitalizados (veja a Terapia Gerson abaixo).

Terapia de Urina
Em 1945, John W. Armstrong publicou um livro chamado The Water of Life, A Treatise on Urine Therapy. O livro explorou a ideia difícil de aceitar de que beber a própria urina promoverá a cura e restaurará a saúde daqueles que sofrem de doenças graves. Martha Christy também publicou um livro sobre este tópico intitulado Your Own Perfect Medicine no final dos anos 80. Recomendo muito a leitura de ambos. A abordagem de Christy é mais técnica e inclui injeções de tecido de urina preparado e gotas de urina sob a língua.

image

A abordagem de Armstong é mais simples: para resolver doenças que ameaçam a vida, beba cada gota de sua própria urina e não coma nem beba nada até que você esteja completamente bem! Em seu livro, Armstong fornece a história de muitos, muitos pacientes com uma variedade de condições graves (câncer, infecções maciças, problemas cardíacos, etc.) que frequentemente estavam perto do Fim. Em alguns casos, o paciente estava tão gravemente incapacitado que não conseguia produzir sua própria urina. Nesses casos, Armstong ‘iniciava’ o paciente com sua própria urina. Depois, o paciente foi capaz de produzir uma pequena quantidade por conta própria. Com cada ingestão subsequente de urina, o paciente ganharia força e alívio da dor. Para os casos mais graves, os pacientes não bebiam nada além da própria urina por períodos de 90, 120, 150 dias! Alguns, até mais longos. Armstrong ressalta que esfregar o corpo com urina velha (por um período substancial de tempo, por exemplo, 1-2 horas) é um tratamento adjuvante necessário à ingestão em casos muito graves. Em casos menos graves, esfregar com urina velha irá esclarecer a maioria das condições da pele e produzir uma pele lisa e sem manchas se aplicada regularmente (mulheres, tomem nota). Por que isso funciona é explicado detalhadamente nos livros, mas brevemente:

1. reposição de tecidos vitais perdidos para o paciente doente através da urina;

2. a reingestão, refinamento e refiltragem de anticorpos e outras substâncias que melhoram o sistema imunológico permitem que o corpo se concentre exclusivamente em destruir, desobstruir e remover os organismos agressores e o tecido doente, sem os encargos do trabalho de rotina, como digestão e desintoxicação normal.

É claro que normalmente pensamos na eliminação da urina e das fezes como resíduos, mas a urina, ao contrário das fezes, é totalmente estéril. Lembre-se, é o filtrado do seu próprio sangue. Muitas pessoas com saúde normal bebem urina diariamente para manter a saúde e a beleza física. Pegue os livros e leia-os. Em caso de dificuldades de sobrevivência, esta técnica simples pode salvar sua vida.

Artigos relacionados:

A medicina ortodoxa falhou conosco (16 de outubro de 2006)
http://educate-yourself.org/lte/failuresoforttodoxmedicine16oct06.shtml

Médicos são a terceira principal causa de morte nos EUA, causando 250.000 mortes todos os anos
http://www.mercola.com/2000/jul/30/doctors_death.htm

Fonte:  https://educate-yourself.org/fc/
(atualização Julho de 2018).


Gostou deste assunto? Que tal ficar em sintonia com os nossos estudos, dicas e curiosidades?

Convidamos você a se juntar a nós em uma exploração profunda destes temas. Siga-nos nas redes sociais: TwitterInstagramPinterest e Telegram. Aventure-se em nosso Canal no Youtube para conteúdo inspirador sobre estes assuntos. Saiba mais sobre nossa missão na Bio. Mantenha-se conectado conosco assinando nosso feed.

Shares:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *