Por Que Lembramos de Tantos Eventos Que Nunca Ocorreram?

O cortejo fúnebre do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela segue pela Rua Madiba, em 11 de dezembro de 2013, em Pretória, África do Sul. Muitas pessoas acreditam, erroneamente, que Mandela morreu na década de 1980, dando origem a um fenômeno chamado “Efeito Mandela”, ou lembrando claramente de algo que não aconteceu.

Inúmeras pessoas que assistiram aos filmes de “Star Wars”, e a maioria delas dirá que o dróide desastrado, chamado C-3PO, tem uma cor dourada por toda parte. Mas, na verdade, você sabia que o C-3PO realmente tem uma perna prateada? E que aquela fala imortal que Darth Vader proferiu no filme “O Império Contra-Ataca”: “Luke, eu sou seu pai”? Não é exatamente assim – ele realmente diz : “Não, eu sou seu pai.”

IMAGENS CHRISTOPHER FURLONG/GETTY

Ambos são exemplos generalizados do que é chamado de Efeito Mandela, falsas memórias que são compartilhadas entre uma grande população de pessoas – uma espécie de lembrança coletiva. A frase foi cunhada por volta de 2009, pela consultora paranormal Fiona Broome, que a usou para explicar o fenômeno em que muitas pessoas ao redor do mundo acreditavam que o líder sul-africano morreu na prisão, na década de 1980. Na verdade, ele foi libertado em 1990, mais tarde serviu como presidente do país e morreu em 2013 aos 95 anos.

A teoria de Broome é que em todos os momentos há múltiplas realidades de cada universo (o multiverso) e que dentro de cada universo há variações de objetos, eventos e pessoas. Então, memórias “incorretas” desses momentos compartilhados não são realmente falsas – são apenas casos em que universos paralelos se cruzaram por um instante. (A teoria do multiverso geralmente é avançada para conceitos de física.)

A ciência tem outras explicações sobre como o Efeito Mandela acontece. Muito disso se resume ao fato de que a memória humana não é notoriamente confiável. Nesta era das tecnologias digitais, muitas vezes igualamos nossos cérebros a discos rígidos de computador, caixas de armazenamento orgânicas para nossas experiências. No entanto, nossos córtex pré-frontais, onde muitas memórias são armazenadas, não funcionam com a mesma precisão que um disco rígido.

A candidata a Ph.D. da UCLA, em neurociência, Caitlin Aamodt, diz que, com base no que sabemos sobre o cérebro, podemos fazer inferências sobre o que contribui para o Efeito Mandela. “As memórias são organizadas no cérebro para que memórias semelhantes sejam armazenadas em neurônios próximos. Quando uma memória é recuperada, essas células podem alterar suas conexões, o que permite a adição de novas informações”, diz ela por e-mail. “Mas como ‘neurônios que disparam juntos se conectam’, às vezes memórias falsas podem surgir de conexões errôneas.”

Embora possamos pensar que podemos solidificar memórias em nossos cérebros, a ciência parece sugerir o contrário. Relembrar uma memória muitas vezes desencadeia outras memórias no processo, muitas vezes entrelaçando vários cenários e pessoas de novas maneiras, uma espécie de “reconsolidação” das informações em nossos cérebros.

Os seres humanos também são vulneráveis ao conceito de confabulação, um erro ou má interpretação em relação a uma memória, sem uma tentativa consciente de enganar. A confabulação ocorre quando o cérebro está tentando preencher os espaços em branco para memórias incompletas. O palestrante pode misturar e combinar experiências e informações semelhantes para completar a história em sua mente, completar com detalhes e respostas emocionais, certos de que o conto é verdadeiro. Esse tipo de comportamento acontece em pessoas que sofrem de problemas neurológicos, como danos cerebrais ou Alzheimer, mas indivíduos saudáveis também confabulam.

O Efeito Mandela Individual versus o Coletivo

OK, então isso pode explicar por que uma pessoa se lembra mal de algo. Mas por que muitas pessoas se lembrariam mal dos mesmos “fatos”? Aamodt aponta para um estudo de psicologia de 2016, mostrando que 88% das pessoas, em uma pesquisa on-line, escolheram incorretamente Alexander Hamilton como presidente dos EUA de uma lista de possíveis candidatos. A taxa de reconhecimento de Hamilton foi muito maior do que a de alguns presidentes reais como Franklin Pierce e Chester Arthur.

“Por causa da associação contextual compartilhada, muitas pessoas diferentes formaram a mesma falsa memória de que o próprio Hamilton era presidente”, diz ela. Hamilton foi na verdade o primeiro secretário do tesouro, mas como ele está associado a muitos dos primeiros presidentes dos EUA e tem um show de sucesso na Broadway com seu nome como título, pode-se ser perdoado por confundi-lo com um ex-comandante.

Aamodt também observa o poder da sugestão. “A gestibilidade é a tendência de acreditar no que os outros sugerem ser verdade”, diz ela. “É por isso que os advogados estão proibidos de fazer perguntas importantes às testemunhas que sugerem uma resposta específica.”

Atualmente, há também o poder viral da internet e sua capacidade de ampliar o erro humano, a sugestionabilidade e a ingenuidade. Se uma pessoa afirma veementemente que o ator Sinbad estrelou um filme dos anos 90 sobre um gênio intitulado “Shazaam”, e pode oferecer detalhes da trama que atingem um acorde com outros leitores, isso pode gerar uma narrativa falsa que muitas pessoas acreditam que deve ser verdadeira ou afirmam se lembrar de si mesmas. Na verdade, o ator do filme dos anos 90 sobre um gênio era Shaquille O’Neal, e o filme se chamava “Kazaam”.

Exemplos do efeito Mandela são mais comuns do que você imagina. Os populares ursos de desenhos animados são chamados de “The Berenstein Bears” ou “The Berenstain Bears”? Na verdade, é o último, algo que choca muitas pessoas que se lembram de ler esses livros quando crianças. E você se lembra de um famoso retrato do rei Henrique VIII da Inglaterra agarrando uma perna de peru? Assim como muitas outras pessoas … mas isso nunca existiu.

AGORA ISSO É INTERESSANTE

Experimentos demonstram continuamente o quão falha a memória humana pode ser. Em um teste, cerca de 30% dos indivíduos confirmaram que viram imagens de vídeo do voo 93 da United, que caiu como parte dos ataques terroristas de 11 de setembro. Essa filmagem não existe. Mesmo 20% das pessoas com memória autobiográfica altamente superior (memórias incrivelmente precisas) relataram ver o vídeo inexistente.

Fonte: Nathan Chandler

Aproveite para assistir este vídeo do nosso Canal:


Gostou deste assunto? Que tal ficar em sintonia com os nossos estudos, dicas e curiosidades?

Convidamos você a se juntar a nós em uma exploração profunda destes temas. Siga-nos nas redes sociais: TwitterInstagramPinterest e Telegram. Aventure-se em nosso Canal no Youtube para conteúdo inspirador sobre estes assuntos. Saiba mais sobre nossa missão na Bio. Mantenha-se conectado conosco assinando nosso feed.

Shares:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *