“O acesso aos Vedas é o maior privilégio que este século pode reivindicar sobre todos os séculos anteriores.”

– Robert Oppenheimer

Os Vedas são uma coleção de textos sagrados hindus reunidos em quatro coleções fundamentais (Rig-Veda, Sama-Veda, Yajur-Veda e Atharva-Veda) que preservam a sabedoria religiosa milenar dos arianos, uma população estabelecida no noroeste da Índia por volta do século 20 aC. A parte mais antiga, o Rigveda Samhita, remonta a uma idade entre 1500 e 1200 aC. Estes são hinos, poemas, mantras e contos mitológicos escritos em sânscrito védico.

Apesar de estarem entre os textos mais antigos da humanidade, estes apresentam conceitos extremamente interessantes para físicos e matemáticos.

Tradicionalmente, acredita-se que os comentários filosóficos dos Vedas, os Upanishads, datam de um período entre os séculos IX e II aC. Nos Upanishads encontramos vários conceitos relevantes para a física quântica

a) Atrás do palco do mundo existe uma realidade transcendente, infinita, adimensional, limitada e incompreendida pelos sentidos humanos, que só podem dar uma ideia muito parcial e enganosa.

b) O tempo é percebido pelos sentidos de forma linear e limitada e, consequentemente, há uma imagem conceitual errada dele.

c) As técnicas meditativas hindus, budistas, etc. servem para manifestar a verdadeira consciência da realidade, livre das cadeias cognitivas ilusórias do ser humano.

Os Vedas e a Física Contemporânea

De fato, a cultura indiana antiga e a filosofia do hinduísmo estão intimamente ligadas aos conceitos matemáticos, aspecto ainda hoje percebido pela inclinação natural dos povos do continente indiano para este assunto. Não é por acaso que o conceito de zero foi desenvolvido nesta mesma área da Terra (शून्य (śūnya) e depois difundido pelos muçulmanos no Ocidente. Isso tem uma ligação estreita com a busca da realidade profunda.

Definitivamente, a noção matemática de zero está muito próxima da ideia de nada ou vazio. Nos Vedas, o conceito de ‘realidade ultima’ é identificado com o estado de consciência suprema – o Brahman (Shunya ou Shunyata nas Escrituras Budistas). Brahman é o Deus imanente, transcendente, invisível e eterno que não tem forma; e de fato o termo Shunya significa zero, vazio ou nada. Ao identificá-lo com Brahman, ele assume valores zero e infinitos.

Brahman e Atman

Os Vedas defendem o conceito de Brahman como um enorme campo que constitui a verdadeira realidade do universo e não se divide em objetos, mas permanece o que está na base da realidade, ou seja, a própria realidade – ainda que se manifeste em toda e qualquer forma e objeto do universo visível.

É sem dimensões e basicamente coincide com o conceito de não-localidade quântica: é um conceito de Deus muito diferente do de outras religiões, especialmente aquelas baseadas na Torá, no Alcorão e na Bíblia. Em Brahman estão todos os planos de existência: divino, humano e infinitos outros superiores e inferiores ao plano humano. Estes são considerados ilusórios, porém são vivenciados como reais pelos seres vivos que os habitam.

Todos os mundos e universos existentes e possíveis são, portanto, uma maneira pela qual Brahman se manifesta; no entanto, são eventos ilusórios e praticamente imprevistos que existem em Brahman, mas se tornam forma e imagem quando alguém os observa.

Estados complementares de consciência: enquanto Ātman se manifesta como consciência individual em um lugar e tempo específicos, e é imanente, localizado e localizável; Brahman é o estado transcendente sem tempo ou tamanho. Se o Brahman, a consciência suprema, é imaterial, disforme, transcendente e atemporal, não localizado e não localizável, a única maneira de percebê-lo é experimentar essa consciência cognitiva.

Ātman, que na filosofia oriental pode ser assimilado ao conceito individual de alma, identifica a projeção subjetiva da realidade profunda, o Brahman: Ātman é a consciência espiritual do indivíduo. No entanto, nada mais é do que uma manifestação separada e individual do próprio Brahman e, portanto, eles são, em última análise, a mesma coisa.

Pode-se dizer que o ensinamento fundamental dos Upanishads aprendido por Erwin Schrödinger (1887-1961), físico austríaco ganhador do Prêmio Nobel, consiste em tomar consciência de que não há multiplicidade, que as subdivisões em partículas menores de matéria são uma ilusão que é resolvida em Brahman, e que a consciência limitada de Ātman funciona complementarmente com a consciência universal de Brahman. Isso implica a co-presença em cada partícula elementar de algum grau de consciência; uma condição conhecida na filosofia ocidental como panpsiquismo. Schrõdinger resumiu a natureza ilusória do multiforme como:

“A pluralidade que percebemos é apenas uma aparência; não é real. A filosofia vedântica procurou esclarecê-lo por meio de várias analogias, sendo uma das mais atraentes o ‘cristal multifacetado’ que, embora mostre centenas de pequenas imagens do que é na realidade um único objeto existente, na verdade não multiplica esse objeto. .” “A multiplicidade é apenas aparente.”

Brahman, Atman e Função de Onda

Agora está claro o motivo pelo qual os Vedas foram de enorme interesse para o físico dinamarquês e vencedor do Prêmio Nobel Niels Bohr (1885-1962), e para o físico teórico alemão Werner Heisenberg (1901-1976) – um dos pais da mecânica quântica. Em particular, o ensinamento védico encontra uma contraparte exata na Função de Onda, que descreve uma partícula no espaço em todos os seus estados possíveis, mesmo no passado, presente e futuro. Em outras palavras, uma partícula tem o potencial de se manifestar em infinitos estados de potência, Brahman coincide com o estado da função de onda da partícula, e Ātman corresponde ao colapso da Função de Onda, ou seja, quando a partícula é medida ela deixará de ser definida pela Função de Onda para adquirir um dos infinitos estados possíveis.

“Quando leio o Bhagavad-gita e reflito sobre como Deus criou este universo, todo o resto parece tão supérfluo… Sustento que o sentimento religioso cósmico é o motivo mais forte e nobre para a pesquisa científica.”

-Albert Einstein

Fonte: Ancient Origins


Gostou deste assunto? Que tal ficar em sintonia com os nossos estudos, dicas e curiosidades?

Convidamos você a se juntar a nós em uma exploração profunda destes temas. Siga-nos nas redes sociais: TwitterInstagramPinterest e Telegram. Aventure-se em nosso Canal no Youtube para conteúdo inspirador sobre estes assuntos. Saiba mais sobre nossa missão na Bio. Mantenha-se conectado conosco assinando nosso feed.

Shares:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *