24 astrônomos e físicos de 10 países, incluindo o renomado astrofísico Jayant V Narlikar, do Centro Interuniversitário de Astronomia e Astrofísica, estão entre os cientistas que protestam.

Por Bala ChauhanExpress News Service

BENGALURU: Cientistas de todo o mundo, incluindo a Índia, que estão refutando a teoria do Big Bang na cosmologia, estão enfrentando resistência e censura de periódicos e arquivos de renome internacional, onde publicam seus trabalhos de pesquisa para revisão por pares.

A teoria do Big Bang sustenta que o universo nasceu de um ponto altamente comprimido, denso e microscópico (chamado de singularidade), que explodiu com uma força enorme há cerca de 13,8 bilhões de anos, resultando em tudo que surge dessa singularidade se movendo para fora em todas as direções. A partir disso, toda a matéria cósmica (como a conhecemos hoje) foi formada em diferentes estágios ao longo do tempo até agora.

Vinte e quatro astrônomos e físicos de 10 países, incluindo o reputado astrofísico Jayant V Narlikar do Centro Interuniversitário de Astronomia e Astrofísica®, Prof Sisir Roy do Instituto Nacional de Estudos Avançados (NIAS) e Prof Amitabha Ghosh da Academia Nacional de Ciências da Índia (INSA)® da Índia estão entre os cientistas que protestam contra a censura de artigos que criticam a hipótese do Big Bang pelo site de pré-impressão aberto arXiv.

“Como os cientistas envolvidos no estudo do cosmos e da relação dos fenômenos no espaço com aqueles aqui na Terra, protestamos fortemente contra a censura do arXiv de artigos controversos sobre cosmologia e especificamente sobre a hipótese do Big Bang. Administrado pela Universidade de Cornell, o arXiv deve fornecer um fórum público aberto para pesquisadores trocarem artigos de pré-publicação, sem se comprometer a revisá-los por pares. Mas em junho de 2022, o arXiv foi rejeitado para publicação em três artigos que criticam a validade da hipótese do Big Bang. Nenhuma razão específica foi dada para essas rejeições”, escreveram os cientistas.

“Esta foi a sequência do nosso artigo anterior já publicado no Astronomy and Astrophysics Journal desafiando a hipótese do Big Bang”, disse Roy ao The New Indian Express.

“Neste artigo, analisamos os dados de redshift do par galáxia-quasar e confirmamos a periodicidade dos redshifts, o que contraria a teoria do Big Bang. Isso foi observado pela primeira vez pelo astrônomo americano Prof Halton Arp nos anos sessenta do século 20. Ele havia observado a associação física desse tipo de par galáxia-quasar”, disse o cientista indiano.

De acordo com a Hipótese do Big Bang, os quasares são considerados os objetos situados nas distâncias mais distantes do que as galáxias. “Mas, de acordo com Arp, se no par galáxia-quasar a galáxia está fisicamente associada ao quasar, então a galáxia e o quasar estão situados quase à mesma distância. Essa observação contradiz os princípios do modelo em expansão (como o modelo do Big Bang)”, disse Roy.

Prof Roy, Arindam Mal da Organização de Pesquisa Espacial Indiana (ISRO), Ahmedabad, e Sarbani Palit do Instituto Estatístico Indiano (ISI), Kolkata também enfrentaram dificuldades em ter seu trabalho de pesquisa – ‘Periodicidade do Redshift e seu Significado para Observação Recente’, que contraria a Hipótese do Big Bang – publicado em periódicos revisados ​​por pares como Astronomy and Astrophysics Journal, Monthly Notices of the Royal Astronomical Society etc.

“Essencialmente, levanta a questão se o redshift tem uma explicação alternativa para o mecanismo Doppler, segundo o qual, o deslocamento da frequência (para comprimento de onda maior chamado redshift ou para comprimento de onda menor chamado blue shift) ocorre devido ao movimento relativo do observador e da fonte. A expansão do universo é explicada usando essencialmente o mecanismo Doppler. No entanto, a descoberta de Emil Wolf, da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, estabelece claramente que essa mudança de frequência da luz pode ocorrer mesmo na ausência de movimento relativo do observador e da fonte”, disse Roy.

“No presente artigo, mostramos que o desvio para o vermelho do par galáxia-quasar observado por Arp e outros astrônomos é quantizado e desafia a validade da expansão ou do modelo do Big Bang usando nossa metodologia para a análise de dados. Enviamos este artigo para várias revistas internacionais importantes para publicação, mas foi rejeitado sem qualquer revisão crítica. Então tentamos publicá-lo em um arquivo da Universidade de Cornell. A equipe de suporte ao arquivo nos enviou um raciocínio peculiar rejeitando a publicação”, disse Roy. Depois de muita persuasão, eles aceitaram o artigo com a ressalva de que devemos publicá-lo em algum lugar se quisermos que futuras submissões sejam aceitas no arXiv, acrescentou.

“Esse tipo de censura à pesquisa científica é injusto e infeliz”, disse Roy.

Qual é a teoria do Big Bang?
De acordo com um explicador da NASA, a teoria do Big Bang indica como o universo começou como apenas um único ponto, depois se expandiu e se esticou para crescer tão grande quanto é agora. Ainda acredita-se que esteja esticando…

Fonte: https://www.newindianexpress.com/states/karnataka/2022/aug/09/anti-big-bang-theory-scientists-face-censorship-by-international-journals-2485604.html


Gostou deste assunto? Que tal ficar em sintonia com os nossos estudos, dicas e curiosidades?

Convidamos você a se juntar a nós em uma exploração profunda destes temas. Siga-nos nas redes sociais: TwitterInstagramPinterest e Telegram. Aventure-se em nosso Canal no Youtube para conteúdo inspirador sobre estes assuntos. Saiba mais sobre nossa missão na Bio. Mantenha-se conectado conosco assinando nosso feed.

Shares:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *